Pesquisa afirma que bater piora o comportamento das crianças

Ter um filho é uma bênção para qualquer pessoa, pois, um novo membro na família só traz esperança e felicidade. Por isso, os pais devem ter em mente que os pequenos devem ser tratados com muito carinho, paciência e amor, isso inclui evitar de todas as maneiras a violência física.

Palmadas pioram o comportamento infantil

É possível perceber que as crianças que apanham dos seus pais ou responsáveis costumam ser mais danadas e travessas. De acordo com a revista “Crescer”, uma pesquisa da Universidade do Texas em Austin em parceria com a Universidade da Virginia publicada em uma revista americana, crianças que apanham aos 5 anos de idade têm mais problemas de comportamento aos 6 e aos 8 anos.

Para chegar a essa conclusão, os pesquisadores analisaram os dados de cerca de 12 mil crianças que participaram de um estudo sobre a primeira infância nos Estados Unidos. Os cientistas perguntaram aos pais, quando os pequenos tinha 5 anos, quantas vezes tinham apanhado na última semana.

Na pesquisa também foram levados em conta outras informações como saúde, gênero, idade e problemas de comportamento, condições financeiras e tamanho da residência, assim como os conflitos familiares.

Após realizarem a pesquisa com os pais, os cientistas analisaram as avaliações escolares das crianças pesquisadas aos 5,6 e 8 anos, onde os professores responderam com que frequência os alunos argumentavam, brigavam, ficavam zangados, agiam impulsivamente e perturbavam as atividades em classe.

O resultado de toda essa pesquisa foi que as crianças que apanhavam pioraram o comportamento à medida que cresciam. Já as que nunca apanharam eram mais comportadas.

Uma das pesquisadoras afirmou: “Nossas descobertas sugerem que bater não é um método eficiente e, na verdade, faz com que a atitude das crianças piore no lugar de melhorar”.

Outros especialistas afirmaram que o resultado desse estudo já foi comprovado com diversas pesquisas.

 

 

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *